Como a Inteligência Artificial está sendo usada no varejo ou e-commerce?

Por: Rodrigo Nascimento
– Head de Desenvolvimento e Inteligência Artificial 

Muito se fala sobre como a inteligência artificial e a Internet das coisas irão mudar a experiência de compra dos clientes no futuro. Nos últimos anos tenho visto algumas grandes lojas anunciando estudos e inaugurando “lojas conceito”, lindas, modernas e com várias novidades empolgantes, mas que ainda são caras para serem replicadas e, desta forma, ainda não representam nenhuma vantagem competitiva perante aos concorrentes e, tampouco, motivam os clientes a comprarem mais.

Mas como a IA já está sendo implementada neste segmento, que talvez, seja um dos que mais oferecem possibilidades de sua utilização?  Listo aqui alguns exemplos, de forma muito didática e não técnica:

Personal Shopper

Quantas vezes você já desistiu de uma compra por não ter paciência para procurar, dentre todas as opções, o que realmente combina com você ou que deseja naquele momento?  Para exemplificar, imagine que deseja comprar um tênis pela internet. Você acessa o site da loja, filtra por marca ou algum outro critério de filtro oferecido pelo site (que já ajudam bastante) mas ainda assim precisa perder um bom tempo olhando as opções, até que acaba desistindo e optando por ir em uma loja física. Uma das primeiras utilizações da Inteligência Artificial no varejo visa resolver, justamente esta dor. Através da análise do perfil do comprador, o site sugere o produto com maior probabilidade de agrada-lo.  E não estou falando de simplesmente analisar o histórico de compras, até porque o cliente pode ter comprado um tênis de corrida no passado, mas agora quer um tênis de passeio. Com IA, é possível criar um assistente (chatbot) para se comunicar em linguagem natural (como um humano) com os clientes para entenderem o perfil daquela compra específica. Existem muitos exemplos, como o Alexia da Amazon ou o IBM XPS, que foi utilizado pela North Face para guiar os seus clientes entre as inúmeras opções disponíveis em seu site.

Este tipo de solução não precisa ser exclusiva de lojas online. Podemos, por exemplo, colocar totens dentro de lojas físicas, ou mesmo disponibilizar tabletes com sistemas de IA para facilitar o trabalho dos vendedores. A Lowe’s Innovation Labs, criou um robô que conversa com o cliente e leva o cliente até o local exato na loja onde está o produto procurado. Vejam este vídeo que demonstra o robô funcionando https://youtu.be/hP3yfGHTXFo

Promoções e recomendações personalizadas

Imagine entrar em um shopping e receber em seu celular um aviso que uma loja que gosta está oferecendo um produto que você precisa por um preço promocional? Isso já é bastante comum em comércio eletrônico, mas ainda pouco difundido em lojas físicas. Utilizando beacons, é possível detectar que determinado cliente entrou na loja ou shopping e, com base em seus hábitos de consumo, fazer ofertas exclusivas e direcionadas.

Reposição e organização de prateleiras

Quem já teve algum contato com lojas sabe que a posição dos produtos nas prateleiras segue critérios estratégicos para atingir os clientes. Desde colocar determinados produtos perto de outros, ordenação das marcas e até altura nas prateleiras. Estas definições estão se tornando cada vez mais certas e automatizadas com a utilização de câmeras, sensores e Inteligência Artificial para estudar o comportamento dos clientes nas lojas. Mais do que isso, empresas como a Focal Systems (https://focal.systems) desenvolveram soluções que monitoram se determinada prateleira precisa de reposição, sugerem mudanças na ordenação e até oferecem relatórios para medir a eficiência dos estoquistas, como quanto tempo ele demora para repor seus produtos.

Realidade Aumentada

Antes de mais nada, você sabe o que é realidade aumentada? Para você que não é da área, esta tecnologia permite que você simule que algo virtual esteja presente em uma imagem real, dando a sensação de integração entre estes dois “mundos”. Lembram do Pokemon go? Então… é isso. Muitas lojas estão usando a realidade aumentada para permitir que os clientes, por exemplos, experimentem roupas e acessórios de forma vritual (sem precisar vestir) ou simulem que determinado objeto estão em sua casa, simulem que uma parede está pintada de determinada cor, e por aí vai. Vejam vídeo da Timberland: https://www.youtube.com/watch?v=5TZmQPdhpak

Entrega por Drones

Sim, você leu corretamente. E isso não é novidade, é algo que tem sido trabalhado há alguns anos. Inclusive, em dezembro de 2016 a Amazon divulgou um vídeo de seu primeiro teste. Veja vídeo aqui: https://youtu.be/vNySOrI2Ny8

A ideia da Amazon Prime Air é entregar um compra realizada online em até 30 minutos. Claro que uma iniciativa como esta é cara e precisa quebrar diversas barreiras, sobretudo, regras que cada país estabelece para o trânsito de drones em seu espaço aéreo.

Filas nunca mais

Outra vez vamos utilizar a Amazon como exemplo. Também não é uma novidade para quem é da área, mas para aqueles que não estão tão conectados com o assunto, com certeza este exemplo causará impacto. A Amazon criou há alguns anos o Amazon Go, um conceito de loja na qual você não precisa “passar no caixa”.  Basta baixar o app da Amazon, usar o seu telefone para entrar na loja e comprar o que você quiser. Através da utilização de câmeras e sensores, tudo que você pegar na prateleira será automaticamente adicionado a sua cesta no app da Amazon no seu smartphone. Caso desista da compra e coloque de volta na prateleira, sua cesta é automaticamente atualizada. Incrível ne? O mais incrível ainda está por vir. Após finalizar suas compras, basta ir embora, não precisa pegar fila ou pagar fisicamente.

Vejam que nos poucos exemplos citados acima, foco na experiência do cliente, mas ainda poderíamos explorar as melhorias em processos, logísticas, inteligência analítica, marketing, dentre outras coisas. Como sempre digo, a Inteligência Artificial pode ser implementada em praticamente qualquer área, mas muitas vezes o ROI é tão baixo que torna o projeto inviável. Arriscaria dizer, que parte das “grandes novidades” neste setor são criadas mais com o intuito de gerar marketing e fortalecer o nome da marca, a preparando para um futuro, do que gerar retorno financeiro de verdade a curto prazo.

Mas sem dúvidas, a tecnologia já está presente e irá mudar completamente a forma como compramos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.